Vem me seguir também...vem

PARA ACHAR ALGO DIGITE A PALAVRA

sexta-feira, 16 de março de 2012

DOUTRINA DO BATISMO NA DECLARAÇÃO DE SAVOY, ROBERT KALLEY VOTARIA CONTRA OU A FAVOR?

Por Joelson Gomes

Quem lê a Declaração de Savoy no capítulo 29 vai ver no seu parágrafo 4° que os congregacionais ingleses eram pedobatistas. Claro que na própria declaração, esse fato já é contraditório porque no parágrafo 1° está escrito que o batismo foi ordenado por Jesus Cristo “para servir ao batizando de sinal e selo do pacto da graça, de seu enxerto em Cristo, de sua regeneração, da remissão de pecados e de sua total entrega a Deus através de Jesus Crito para andar em novidade de vida”. Ora, não sei como os doutores de Savoy entendiam como tudo isso pode acontecer numa criança inconsciente. Mas, ninguém é perfeito.

Quando a declaração de Savoy foi composta em 1658, é dito que todos os seus artigos foram discutidos e para que fossem aceitos tinham que ser votados na assembleia.[1] Se Robert Reid Kalley o fundador do Congregacionalismo brasileiro estivesse presente, ele votaria a favor ou contra o batismo infantil? Esta pergunta é válida por dois motivos:

a) Alguns dizem por desconhecimento não saber a posição do Dr. Kalley sobre o assunto, e que ele não deixou nada escrito sobre o caso. Seria ele pedobatista, já que sua origem é uma igreja pedobatista (o Dr. Kalley é oriundo da igreja Presbiteriana escocesa sendo batizado, quando criança, nesta tradição)?

b) Dentro da Aliança Congregacional alguns pastores pelo o uso indiscriminado da Teologia Sistemática de Louis Berkof terminam entendendo que o pedobatismo é bíblico e até confundem ser reformado com ser pedobatista. O que Kalley pensava? Qual seria o seu voto?

O Dr. Kalley embora no início do ministério tenha aceito o batismo praticado por sua igreja de origem, depois da maturidade logo o rejeitou. Ele declarou sobre o batismo de criançinhas: “Estou bastante satisfeito que crianças sejam batizadas, mas apenas crianças que professam solenemente a Cristo e vivem vidas de acordo com o Evangelho.[2] E falando dos pré-requisitos para alguém ser batizado, ele disse: 

Quanto ao batismo de crianças, a Bíblia guarda silêncio a respeito. A circuncisão era um rito limitado aos machos, no oitavo dia de nascimento, e era aplicada pelo pai, pela parteira ou por qualquer outra pessoa habilitada. Assim – Abraão aplicou-a em Isaque (Gn 21. 3 e 4); a mulher de Moisés, Séfora, em seu filho (Êx. 4. 25); Paulo em Timóteo (At. 16. 1-3). As condições essenciais para o batismo eram duas: a) entender claramente a mensagem e b) de coração aberto aceitá-la. Fé em exercício e alegria inteligente eram os pré-requisitos deste rito cristão – totalmente nulos aos recém-nascidos.[3]

Se parassemos aqui já poderíamos ter ideia como seria o voto de Kalley. Mas, vamos adiante. 

A Igreja Congregacional Fluminense, primeira Igreja protestante do Brasil e fundada e doutrinada por Kalley, exigia que quem tivesse sido batizado quando criança, para ingressar nela fosse rebatizado. Como no caso da senhora Cristina Fernandes Braga. William Bannister Forsyth escreve:

Dona Cristina Fernandes Braga, esposa de José Luiz Fernandes Braga, tinha expressado já há muito o desejo de tornar-se membro da Igreja Evangélica Fluminense, mas tinha sido impedida por causa da decisão da Igreja, que exigia que fosse submetida ao batismo cristão, por aspersão. Dona Cristina era de origem germânica e frequentara a classe da Sra. Kalley na Escola Dominical em Petrópolis, quando moça. Tinha sido batizada na infância por um ministro luterano. Convertida graças ao casal Kalley, ela recusava ser rebatizada, por entender que o seu batismo infantil havia sido um autêntico bastismo. Finalmente ela cedeu e aceitou o rebatismo e foi assim também, admitida à Mesa do Senhor.[4]

Falando à Igreja Congregacional Pernambucana, também fundada por ele, Kalley diz: 

A Igreja Evangélica Pernambucana não pertence a nenhuma denominação estrangeira: não é presbiteriana, porque esta considera válido o batismo romano e pratica o batismo de crianças; aproxima-se mais da denominação batista.[5]

Quando entendeu que a Igreja Evangélica Fluminense precisava de um pastor brasileiro, o Dr. Kalley mandou estudar no colégio de Spurgeon o jovem João Manoel Gonçalves dos Santos, e o candidato de Kalley não era pedobatista. O Doutor chegou a dizer ao seu amigo que este candidato seria, quem sabe, o único antipedobatista do império na época.[6] É sabido que O assunto batismo infantil não era novo em sua vida, pois logo cedo, em sua família, o tema foi abordado quando sua primeira esposa, Margareth, pediu para ser rebatizada porque estava convencida que seu batismo, quando criança, não tinha base no Novo Testamento. Diante disso, o Dr. Kalley prontamente lhe rebatizou.[7]

O filho adotivo de Kalley, João Gomes da Rocha, respondendo a uma carta sobre como o seu pai entendia o batismo, escreve:

Porque sabemos qual foi o ensino do Dr. Kalley durante todo o seu pastorado nas igrejas evangélicas que fundara no Brasil acerca da forma de batismo de água aplicado à cabeça dos crentes adultos, depois de fazerem uma confissão pública perante a igreja de sua plena fé no Salvador Jesus.[8]

Antes de partir de vez do Brasil o Dr. Kalley deixou uma confissão de fé para as igrejas que aqui fundou: os 28 artigos da Breve Exposição, declaração aceita como síntese de fé pela Aliança Congregacional. No artigo 25, que trata do batismo, ele escreve:

O batismo com água foi ordenado por nosso Senhor Jesus Cristo como figura do batismo verdadeiro e eficaz, feito pelo salvador, quando envia o Espírito para regenerar o pecador (Mt. 3. 11; 1Co. 12. 13). Pela recepção do batismo com água, a pessoa declara que aceita os termos do pacto em que Deus assegura aos crentes as bênçãos da salvação (At. 2. 41; 8. 12).

Pela leitura do artigo fica claro: o batismo com água só deve ser ministrado para quem dá mostras de que é convertido, porque no entendimento de Kalley a ordenança do bastimo é apenas um símbolo, uma figura do batismo verdadeiro, com o Espírito Santo que supõe-se já aconteceu no batizando no momento da regenração; por isso agora, o batizando está recebendo o sinal, o selo, de algo que já supõe-se, aconteceu com ele (senão não seria nem sinal, nem selo). Assim na ordem de Kalley as coisas acontecem assim: regeneração e depois, batismo com água. E ainda ele diz no artigo citado que ao receber este símbolo a pessoa batizada declara que aceita conscientemente os termos, as leis, do pacto de Deus. Logo, no entendimento do Doutor o batismo só pode ser um ato consciente. Ele escreve:

O batismo com água não é essencial para a salvação; sua aplicação externa é um mero testemunho público, diante de testemunhas, de que se aprova uma aliança (ordenança) que tipifica a purificação, o refrigério, o conforto e o poder fortificante do Espírito Santo.[9]

É sabido que o Dr. Kalley foi batizado quando criança na sua igreja de origem na Escócia mas nunca se conformou com isso, tanto que antes de morrer pediu ao seu amigo, o pastor Fanstone que o batizasse, agora sim, como crente. James, filho do pastor Fanstone, diz que realmente seu pai batizou o Dr. Kalley a pedido dele que quis ser batizado como crente confesso.[10]

Por tudo isso acho que agora podemos dizer que se estivesse na assembleia que aprovou a Declaração de Savoy o Dr. Kalley votaria contra na seção batismo infantil.


NOTAS

[1] Conforme TOON, Peter. Puritans and Calvinism. Disponível em: Acesso em 07/08/2008
[2] FORSYTH, William B. Jornada no Império (São Paulo: Fiel, 2006), p. 225.
[3] ROCHA, João Gomes da. Lembranças do Passado (Rio de Janeiro, 1953), v.2, p.37. FORSYTH, William B. Op. Cit. p. 225.
[4] FORSYTH, William B. Op. Cit. Pp. 195, 196
[5] ROCHA, João Gomes da. Op. Cit. v. IV. Pp. 250, 251.
[6] EVERY-CLAYTON, Joyce E. W. Um Discurso Missionário  no Segundo Império (tese de doutorado), p. 176.
[7] FORSYTH, William B. Op. Cit. p. 94.
[8] Explicação em carta do Dr. João Gomes da Rocha, filho adotivo do casal Kalley, ao Senhor Abílio Augusto Biato que lhe escreveu pedindo eclarecimentos sobre o assunto. A carta se encontra no arquivo da Igreja Evangélica Fluminense e é citada por CARREIRO, Vanderli Lima. Aspersão (Rio de Janeiro: UNIGEVAN, 2005), p. 44.
[9] ROCHA, João Gomes da. Op. Cit., v.2, p.20, 21.
[10] CARREIRO, Vanderli Lima. Op. Cit. p. 45.

Um comentário:

Caline disse...

Com certeza, ele votaria contra.