Vem me seguir também...vem

PARA ACHAR ALGO DIGITE A PALAVRA

sábado, 4 de outubro de 2008

* OS PEREGRINOS E SUAS CRENÇAS.


Os "Peregrinos" chegando a América

Os Chamados "Pais Peregrinos" (Separatistas ingleses que viajaram para os EUA em busca de liberdade religiosa em 1620), estão na origem dos Congregacionais americanos. Devemos observar que mesmo tecnicamente estes “peregrinos” não sendo o que se conhece como puritanos ingleses, pois, o movimento puritano era um movimento de reforma dentro da Igreja Anglicana e os separatistas haviam abandonado qualquer sonho de reforma dentro da Igreja estabelecida escolhendo separar-se e organizar suas próprias igrejas, havia pouca diferença entre eles em matéria de teologia, se é que havia. A diferença era em torno da política do governo da igreja.[1]

a)Organização da Igreja.
[2] Os Peregrinos rejeitavam a autoridade do Papa, os santos, a veneração das relíquias. A organização da igreja feita por eles foi em torno de cinco agentes: o pastor, o professor, o ancião, o diácono, e a diaconisa. No entanto, nem um desses cinco órgãos era considerado essencial para o funcionamento da igreja. O pastor tinha a responsabilidade de cuidar da vida religiosa da congregação. O professor era também um ministro ordenado, ficava responsável pela instrução. O Ancião era o responsável pela administração da igreja, e também era um auxiliar do pastor e do professor na admoestação da congregação. Os diáconos recolhiam as ofertas e assistiam aos idosos. As diaconisas assistiam os doentes e pobres, e muitas vezes desempenhavam o papel de parteiras na congregação.

b) O edifício da igreja. O edifício deveria ser uma casa sem representações religiosas: cruzes, arquitetura extravagante ou imagens, isso para evitar a idolatria.

c) Batismo infantil. Os Peregrinos defendiam o batismo infantil, e acreditavam que ele apagava o Pecado Original. O batismo era entendido como um sinal do pacto de Deus com seu povo. Assim como a circuncisão era um sinal para os israelitas.

d) Os sacramentos. Para eles havia apenas dois sacramentos: o Batismo e a Ceia do Senhor. Os outros sacramentos da Igreja Anglicana e da Igreja Romana eram considerados invenções dos homens, não tendo assim base bíblica, eram puras superstições. Símbolos como cruzes, estátuas, vitrais, eram considerados idolatria. As orações deveriam ser sempre espontâneas e não escritas como na Igreja Anglicana.

e) Dias santos e religiosos. Eles observavam um dia para descanso como o “sábado” da Bíblia. Não comemoravam Natal, nem Páscoa. Acreditavam que esses feriados haviam sido inventados pelos homens e não estavam ordenados na Bíblia.

f) Casamento. O casamento era para ser considerado um assunto civil, e não para ser oficializado pelos ministros da Igreja. Era um contrato entre um homem e uma mulher. O casamento havia sido criado por Deus para beneficio do homem e da vida natural. Era importante por duas razões: procriar crianças para aumentar o rebanho de Cristo e evitar o adultério. Eles não incluíam simbolismo religioso na cerimônia do casamento, incluindo a troca de alianças, que eles consideravam uma “relíquia do pecado”, e um circulo do Diabo.

g) A Bíblia e outros livros. Eles utilizavam a Bíblia de Genebra, publicada pela primeira vez em 1560. As notas de rodapé desta Bíblia foram escritas por calvinistas suíços e assim interpretavam as Escrituras de forma mais aceitável para eles. Eles só usavam o livro de Salmos para cantar na igreja. Henry Ainsworth foi um separatista inglês de Armsterdã, Holanda, que escreveu o livro de Salmos usado para cantar pelos Peregrinos. Os Peregrinos também liam muito e davam muita atenção aos livros teológicos.

h) A predestinação. Os separatistas eram calvinistas. E como calvinistas tanto eles como os puritanos defendiam a doutrina da predestinação e acreditavam que o estado do ser humano era de depravação e pecado. Defendiam que os salvos só seriam aqueles a quem Deus havia escolhido antes da fundação do mundo, e em seu ensinamento afirmavam que após a Queda no pecado da humanidade, Deus havia feito um pacto com suas criaturas onde estabeleceu as condições para a salvação. Tinham uma forte ênfase na tomada de consciência do ser humano do seu estado espiritual. E para eles toda a base do ensinamento espiritual deveria ser encontrada na Bíblia.
_______________________
NOTAS

[1] Para detalhes sobre estas diferenças ver: MAXWELL, Richard Howland. “Pilgrim and Puritan: A delicate distinction”, disponível em <www.pilgrimhall.org/PSNoteNewPilgrimPuritan.htm> Acesso em 07/01/08.

[2] Para o que segue me baseio no que está em <www.mayflowerhistory.com/History/plymouth7.php> Acesso em 15/01/08.

[3] Estes separatistas congregacionalistas chegam ser considerados por alguns como a ala mais calvinista do puritanismo inglês. Não que eles tirassem sua doutrina apenas dos ensinos calvinistas, eles apenas descobriram que os ensinos deste reformador estavam de acordo com a Bíblia e assim os adotaram. Não era Calvino primeiro e a Bíblia segundo, mas ao contrário. Conforme <http://www.pilgrim-platform.org/conghistory.htm> Acesso em 30/10/07. Para o calvinismo dos independentes congregacionalistas veja: DUNSTAN, J. Leslie. Protestantismo (Rio de Janeiro: ZAHAR, 1964), pp. 77-78; CERNI, Ricardo.História del Protestantismo, 2ª ed. (Pensylvania: El Estandarte de la Verdad, 1995), p. 108.

3 comentários:

Guilherme Parizio disse...

Pastor, exelente esse artigo. Já que o senhor permite usar, mediante citação da fonte, irei publica-lo no meu blog http://crertambemepensar.blogspot.com/
Obrigado.

ALESSANDRA POLO disse...

Ola, gostaria de saber se a igreja Congregação do Brasil tem alguma ramificação desta denominação

JOELSON GOMES disse...

Olá Alessandra, se vc se refere a Congregação Cristã do Brasil, não temos nada em comun com tal movimento, nem o consideramos uma Igreja Protestante, pois seus ensinamentos não condizem com o evangelho. Para saber mais sobre esta seita acesse:

http://www.cacp.org.br/movimentos/indexmenu.aspx?menu=12&submenu=7